ENTREVISTA - PROFISSÃO DO DIA: ENFERMAGEM

19.1.09 Talita Cavalcante 20 Comentários

Meninas de todo Brasil!



Estreia (já com a nova ortografia... ha há! tô aprendendo) hoje, aqui no dona perfeitinha, uma nova seção, a "Coluna Profissões", onde publicarei entrevistas com profissionais (mulheres!) de diversas áreas de atuação. Serão elas meninas, moças ou senhoras, todas com algo em comum: amor pelo que fazem. Além disso, serão todas escolhidas por mim levando-se em conta diferenciais que as destacam na profissão. Minha intenção é que possamos conhecer um pouco mais do dia-a-dia de cada uma delas no trabalho, além de ser uma ajuda e tanto pra quem está naquela fase de decidir que carreira seguir, né?



E nesta estreia tão especial, entrevistei uma garota que além de linda é uma profissional fantástica.



Deem (também já com a nova ortografia) uma conferida nessa entrevista sensacional:




Aline Saraiva Cavalcante é enfermeira, formada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Ela tem 28 anos e é pós-graduada em Nefrologia (São Camilo - BH) e Enfermagem do Trabalho (UFMG).


Foto de Aline na Praça da Liberdade, BH - MG



1) Oi Aline! Você é enfermeira, trabalha no Hospital Odilon Behrens, em Belo Horizonte. Qual sua área da atuação?



Em primeiro lugar é um grande prazer estar com você aqui neste bate papo gostoso, e gostaria de agradecer a oportunidade de contar um pouquinho do cotidiano de uma enfermeira. Eu trabalho no Pronto Socorro, mais precisamente, na sala de politraumatizados (sala de emergência).




2) Para trabalhar em Pronto Socorro é necessário ter muito controle emocional? Como é seu dia-a-dia no trabalho?

Para conseguir fazer um trabalho interessante temos sim de ter controle emocional, pois temos que estar preparados para tudo, do mais tranqüilo dos pacientes ao caso mais complexo que se possa imaginar. Se envolvermos sofrendo com cada paciente que chega até nós não conseguiremos passar confiança, muito menos ajudá – lo. A equipe que o paciente confia pode lhe trazer tranqüilidade e segurança, ajudando assim no tratamento do mesmo.



3) O que é necessário para se tornar uma enfermeira?


Estudar muito e posteriormente amar o seu trabalho.


4) Apesar de bastante diferentes, algumas pessoas confundem os técnicos e auxiliares de enfermagem com enfermeiros. Talvez devido às terminologias serem parecidas. Explica pra gente as diferenças de formação e de atribuições desses profissionais?

*Enfermeiro: Profissional de área universitária que lidera a equipe de enfermagem e exerce todas as atividades pertinentes de alta complexidade, prestação e supervisão dos cuidados de enfermagem, prescrição de enfermagem, cargos administrativos, magistérios.


*Técnico de enfermagem: Possui segundo grau completo e a parte profissionalizante, poderá desenvolver-se em curso regular ou supletivo. Exerce atividades técnicas de enfermagem a nível médio, tais como:

- Participar da programação da assistência de enfermagem,

- Executa ações assistenciais de enfermagem, exceto as de nível já dito como sendo do enfermeiro,

- Auxiliar o enfermeiro nas unidades de internação, em suas funções administrativas, exceto nos hospitais de ensino.


*Auxiliar de enfermagem: Atualmente esses profissionais desenvolvem a maior parte profissionalizante após a conclusão do primeiro grau. Responsabilidades:

- Observar, anotar e notificar alterações do paciente,

- Prestar cuidados de enfermagem (higiênicos, procedimentos terapêuticos, controle de sinais vitais e hídricos, cuidados pré e pós - operatórios, junto em harmonia com os técnicos sob a supervisão de acordo com a prescrição de enfermagem.



5) Você já trabalhou em período noturno? Em que área?


Sim, já trabalhei no CTI do Hospital Biocor (BH).



6) Quais as vantagens e desvantagens de se trabalhar à noite?



Em curto prazo percebe se muitas vantagens, como tempo livre durante o dia para passear, até mesmo arrumar outro emprego e fazer aquela poupancinha. Mas em médio a longo prazo o corpo da gente demonstra sinais de cansaço crônico causado pelo distúrbio do sono, o estresse é inevitável.



7) Foi difícil a transição, passando a trabalhar em período diurno?


Não, foi muito fácil, trabalhei cinco anos no período noturno, o suficiente para poder apreciar, gostar e desgostar.



8) A que você atribui a crescente demanda em vestibulares pelo curso de enfermagem?


Eu sou suspeita para falar, pois adoro o que faço, acho que se todos enxergam a profissão como eu enxergo já se justifica.



9) Continuar os estudos, especializando-se com pós-graduações, é importante nos dias de hoje para esses profissionais?


É muito importante; estudar e se aperfeiçoar. Cada dia que passa aparece coisas novas para curar as patologias, reabilitar, melhorar a saúde, a qualidade de vida dos pacientes e de todos nós. Temos que estar à frente para acompanhar os progressos e as descobertas em torno da saúde.


10) Ainda faltam enfermeiros no mercado?


Claro, bons profissionais nunca são o bastante para o mercado.

20 comentários :

  1. Aline!
    Adorei te entrevistar. Você foi divertida e conseguiu nos transmitir toda a segurança que tem no dia-a-dia do seu trabalho. Parabéns pelo dinamismo e pela linda profissão.

    Beijo grande,
    Talita.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Aline, uma linda profissal a que vc escolheu. Minha família por parte de pai é quase toda da área de saúde e amam o que fazem.
    Admiro muito o seu trabalho e a entrevista foi otima.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  3. Meninas, obrigada pelas palavras. Fico feliz de ter conseguido passar um pouquinho de minha satisfação com minha profissão.
    Beijos e Sucesso para todas nós!

    ResponderExcluir
  4. Aline, como é bom trabalhar fazendo o que gosta.
    Parabéns, muito sucesso em sua profissão.

    Claudia

    ResponderExcluir
  5. Aline, Como é bom sentir que vc.
    é realizada profissionalmente.

    beijos
    sandra

    ResponderExcluir
  6. Talita, parabéns pela excelente entrevista com nossa querida afilhada Aline!
    Bjos.
    Helvey e Heloisa.

    ResponderExcluir
  7. Adorei.
    Trabalho com a Aline no HMOB e percebemos o amor dela pela profissão.
    Abraço Aline

    ResponderExcluir
  8. Adorei.
    Trabalho com a Aline no HMOB e percebemos o amor dela pela profissão.
    Abraço Aline

    ResponderExcluir
  9. Adorei.
    Trabalho com a Aline no HMOB e percebemos o amor dela pela profissão.
    Abraço Aline

    ResponderExcluir
  10. Adorei.
    Trabalho com a Aline no HMOB e percebemos o amor dela pela profissão.
    Abraço Aline

    ResponderExcluir
  11. Adorei.
    Trabalho com a Aline no HMOB e percebemos o amor dela pela profissão.
    Abraço Aline

    ResponderExcluir
  12. Adorei.
    Trabalho com a Aline no HMOB e percebemos o amor dela pela profissão.
    Abraço Aline

    ResponderExcluir
  13. Adorei.
    Trabalho com a Aline no HMOB e percebemos o amor dela pela profissão.
    Abraço Aline

    ResponderExcluir
  14. Adorei.
    Trabalho com a Aline no HMOB e percebemos o amor dela pela profissão.
    Abraço Aline

    ResponderExcluir
  15. Aline, excelente profissional e agora minha madrinha de casamento. hehehehe

    ResponderExcluir
  16. Oi! gostei de ler a entrevista com Aline. Notei nela o gosto pela sua profissão e o detalhe que deu sobre as diferençs do enfermeiro e de outros profissionais da área de enfermagem. Não sei se aí no Brazil o enfermeiro tem o mesmo nível de consideração como outros profissionais tais como médicos, advogados, economistas, etc.

    ResponderExcluir
  17. Muito interessante..Estou cursando enfermagem e estou amando.Acho uma profissão muito linda,na qual vc se doa para ajudar o próximo. O que me deixa triste é que a condição financeira não é muito bom.O que vc acha sobre isso Aline?
    Andrielly Veras

    ResponderExcluir
  18. Oi, Adrielly,
    Vou passar sua pergunta pra Aline, tá? Os entrevistados não tem canal de responder, mas vou tentar.
    Beijos,
    Talita.

    ResponderExcluir
  19. This is very fine web site, thank you and look at that [url=http;//ciufcia.pl]gry dla dzieci[/url]

    ResponderExcluir

"As redes de pescar palavras são feitas de palavras." Otávio Paz.