ENTREVISTA - PROFISSÃO: FONOAUDIOLOGIA

by - 11.2.09

Hoje a entrevistada é uma garota bem articulada e comprometidíssima com seus ideais profissionais. Confiram!

Neliane Saraiva da Silveira é fonoaudióloga. Formada pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MINAS), em Belo Horizonte, em 2006, ela é pós-graduada em Motricidade Orofacial e tem 28 anos. Trabalha na cidade de Ponte Nova, MG.


Foto de Neliane em Bariloche, na Argentina

Foto de Neliane em Bariloche, na Argentina


1) Oi Neliane! Em qual área da fonoaudiologia você trabalha? 


Primeiramente, gostaria de dizer o quanto me sinto feliz de participar deste blog. Uma ideia inovadora e de muito bom gosto. Parabéns, Talita. Atuo em clínicas, realizando exames auditivos, atendimentos fonoterápicos em várias áreas da fonoaudiologia - Voz, Audição, Linguagem Oral e Escrita e Motridade Orofacial. E, a partir de março, em hospitais, realizando Triagem Auditiva Neonatal. Sou responsável pelo controle, avaliação e auditoria do Programa de Saúde Auditiva do Hospital Arnaldo Gavazza, em Ponte Nova, um programa de adaptação de órteses auditivas. Executo também programas de conservação auditiva em empresas como frigoríficos, construtoras, laticínios, entre outras.

 


2) Quais são os principais tratamentos oferecidos pelo fonoaudiólogo e a que tipos de pacientes?


O fonoaudiólogo atua em pesquisa, prevenção, avaliação e terapia fonoaudiológica na área da comunicação oral e escrita, voz e audição. Pode atuar sozinho ou em conjunto com outros profissionais de saúde em clínicas, creches, escolas (comuns e especiais) e comunidades, incluindo  unidades básicas de saúde, hospitais, emissoras de rádio e televisão, teatro, home care (atendimento domiciliar), empresas de órteses auditivas, indústrias, centros de reabilitação, entre outros.

Além disso também trabalha com distúrbios na alimentação, como disfagia e outras dificuldades alimentares. É ele quem reabilita pacientes neuropatas na área de linguagem e alimentação bem como deficientes auditivos. Realiza exames audiométricos, teste da orelhinha, sendo o profissional especializado na audição e na reabilitação de voz.

 



3) A gagueira é uma patologia genética ou provocada por algum acidente ou trauma? É possível chegar à cura?


A gagueira ou disfemia é um distúrbio ou transtorno de linguagem oral. Não se sabe ao certo as causas para este distúrbio que pode ter ligações a fatores genéticos, psicológicos e neurológicos. A Fonoaudiologia dispõe de técnicas e procedimentos específicos para tratar a gagueira. Até o momento, não existe nenhum tratamento que realmente cure a gagueira (no sentido de fazer com que a gagueira desapareça completamente sem que o indivíduo precise tomar nenhum cuidado adicional com sua fala). Os tratamentos disponíveis promovem uma diminuição significativa da gagueira, mas poderão persistir alguns resquícios, mesmo que sutis. Portanto, motivação e determinação são essenciais para que resultados positivos sejam alcançados.

 


4) O que é dislexia? E o que o profissional de fonaudiologia pode fazer para ajudar pacientes que sofrem com esse problema?


A dislexia é uma deficiência de aprendizagem na escrita, leitura, soletração, entre outros. Existem ao todo cinco especificações da dislexia, são elas: 

•Disgrafia: é a dificuldade em escrever, cometendo diversos erros ortográficos. 

•Discalculia: é a dificuldade em compreender a linguagem matemática.
•Déficit de Atenção: quando a criança manifesta dificuldades de concentração.
•Hiperatividade: quando a criança possui uma atividade psicomotora excessiva.
•Hiporatividade: caracterizada pela baixa atividade psicomotora da criança.

 Não existe um só tratamento para dislexia, porém o fonoaudiólogo enfatiza a assimilação de fonemas, o desenvolvimento do vocabulário, a melhoria da compreensão e fluência na leitura. É importante que a criança disléxica faça leitura em voz alta na presença de um adulto para que esse possa corrigí-la. É muito importante que a criança receba apoio, seja atendida com paciência pelos pais, familiares, amigos e professores.

 



5) Algumas pessoas são taxadas de "burras" por amigos e familiares por terem dificuldade de compreensão. O que você recomenda aos familiares quando percebe essa discriminação?


Normalmente, as pessoas associam a dislexia à má alfabetização, desatenção, condição socioeconômica, desmotivação e/ou baixa inteligência. A criança sofre com a falta de autoconfiança e ter apoio gera uma melhora significativa no comportamento do disléxico. É importante que a criança disléxica seja ensinada por professores capacitados, que tenham qualificação para ensiná-la, pois um profissional desqualificado pode agravar o problema de dislexia do indivíduo. A dislexia tem cura, só depende do profissional e da técnica utilizada no tratamento.


6) Muitas vezes, ao falar muito ou cantar ou gritar, ficamos roucos. O que você recomenda fazer quando algo assim acontece?


Rouquidão é definida como qualquer mudança no caráter vocal.  A dica é simples, se estiver doendo não cante e fale pouco, faça repouso vocal, beba muita água, coma maçã, bala de gengibre, evite café, chá mate e chá preto, chocolate e adoçantes também, estes produtos ressecam as cordas vocais e pioram sua vibração. Se continuar a rouquidão por mais de dez dias, procure um médico otorrinolaringologista ou fonoaudiólogo.


7) Empresas de rádio e tv que lidam diariamente com profissionais no uso da voz deveriam, necessariamente, ter uma equipe de fonaudiólogos para auxiliá-los? Nesse campo de atuação, quais são os principais trabalhos desenvolvidos?


Fonoaudiólogo tem a função de auxiliar esses profissionais a terem um melhor desempenho vocal. Os principais trabalhos são o aquecimento e desaquecimento vocal e instalação da respiração costo diafragmática abdominal e cuidados quanto a hábitos deletérios (pigarro, álcool e fumo durante o trabalho). Além de orientações constantes sobre a ingestão de dois litros de água por dia, não realizar ataque vocal durante a emissão, isto é, manter hábitos vocais saudáveis. 

 


8) Para um ator que precisa perder o sotaque de seu país ou região, o fonoaudiólogo é o melhor profissional para auxiliá-lo nesse processo?


O fonoaudiólogo realizará exercícios que os ajudam a suavizar o sotaque aparentemente normal, mas inadequado para determinados personagens. É uma tarefa difícil, pois depende muito do paciente. Ainda não tive experiência nesse campo, mas tenho muito interesse em atuar com voz profissional.

 


9) Os fonoaudiólogos também ajudam pacientes com dificuldades relacionadas à mastigação e deglutição. Problemas assim, se não tratados, podem gerar outros mais graves?


As funções orais de mastigação e deglutição são essenciais para o desenvolvimento das estruturas do sistema estomatognático (lábios, língua, bochechas, dentes...). A alteração da mastigação pode diminuir a qualidade da trituração dos alimentos e dificultar a deglutição, acarretando a disfagia e podendo levar a uma pneumonia por aspiração, por exemplo.

 


10) É possível tratar a musculatura facial e também melhorar a qualidade da voz de idosos?


As mudanças biológicas marcam o envelhecimento natural da pessoa durante as fases do desenvolvimento humano. A musculatura facial e do trato fonatório acabam por se desgastar, perder força e tônus. Assim sendo, o fonoaudiólogo melhora este quadro trabalhando fraqueza muscular e aumentando o tônus tanto facial quanto vocal. Vale lembrar que a prevenção é o melhor caminho. 

You May Also Like

7 comentários

  1. Olá
    Achei muito interessante o post de hoje sobre essa profissão tão pouco conhecida e divulgada (principalmente nos interiores deste Brasil) mas de grande valor!!!
    Eu não sabia dessas várias áreas de atuação desta profissão...
    Acompanho de perto o dilema de um Município interiorano aqui perto de casa, onde existem várias creches, APAE, Pestalozi e não há !!! Não há nenhum atendimento de "fonos" à essas crianças... Como pode??? Não existe para elas o atendimento de destistas, de fisioterapeutas, médico, por quê não, o atendimento de um fono??? Eu e marido já fizemos a sugestão à vereadores no sentido de urgentemente tornar obrigatório que essas crianças sejam atendidas por este profissional.
    Não é útil e necessário???
    Bjkas

    ResponderExcluir
  2. Oi Neliane,

    Muito esclarecedora sua entrevista. Tô adorando dar uma de entrevistadora. Acabo aprendendo bastante.
    Beijo grande,
    Talita.

    ResponderExcluir
  3. Ótima entrevista! Uma profissão muito bonita! Só quem já precisou de uma sabe dar o valor que merece! Espero que agora muito mais gente possa! ;)
    beijos =***

    ResponderExcluir
  4. Olá Talita,
    Parabéns pela entrevista. Sou Terapeuta Ocupacional, se interessar, estou à disposição.
    bjs

    ResponderExcluir
  5. Olá adorei a entrevista...
    Achei muito interressante.
    Curso o terceiro período de fonoaudiologia e amo essa profissao linda...
    prabéns pela idéia.
    bjusssss

    ResponderExcluir
  6. Adorei a entrevista! Estou cursando o terceiro ano do segundo grau e estou naquela duvida:"qual profissão seguir?" Um amigo meu me falou sobre fonoaudiologia e resolvi pesquisar mais sobre esta. Vejo que ainda há muitas pessoas que desconhecem essa profissão que ao meu ver é tão importante para vários setores na comunidade. Obrigada, tirei muitas duvidas com esta entrevista! Foi de grande valia. Torcem para decidir-me pela profissão que mais se adequara a mim. =)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. olha, sou ator e gostaria de perder sotaque nordestino... teria algum exercício para passar virtualmente? hehe

    boa entrevista..

    ResponderExcluir

"As redes de pescar palavras são feitas de palavras." Otávio Paz.