Acho que fui prolixa...

19.3.09 Talita Cavalcante 12 Comentários




Deixei o dona perfeitinha sem atualização hoje, mas foi por ótimos motivos...
Como sabem, sou esposa e mãe (das mais presentes e corujas nos dois substantivos que me definem, quero ressaltar!). Então... hoje fingi que não tinha internet e brinquei a tarde toda com nossa pequena... fomos à rua comprar chinelos pra ela, pois suas havaianas - acreditem! - com 15 dias de uso já arrebentaram! Tirei fotos e vou mandar pra empresa... quase aconteceu isso também com as primeiras que teve e usou 2 meses.

Bem, também trabalhei um pouquinho no note do meu marido porque depois de mais de 5 anos o meu queridíssimo parece que perdeu seu HD (meu marido já gastou horas em cima dele tentando ressuscitar o danado, já levou pra outro ajudá-lo e nada! Acabou comprando um HD novo pro meu coitadinho...). Mas passei o mínimo de tempo possível sentada encurvada - que tem sido minha posição mais frequente... tenho que criar juízo e aprumar a corcunda porque tenho uma princesa que me copia em tudo e não vou gostar de vê-la sentar-se e andar tão mal como eu.

Enfim, hoje cozinhei algo que não vingou... mas também fiz um tomate seco que parece que vai ficar ótimo, então compensou. Estou aqui bebericando um vinho com meu marido - Baron Philippe de Rothschild. Aproveitei que ele está lendo pra vir postar pensamentos que hoje é tudo que tenho.

Bem, estive analisando as amigas à minha volta que estão em crise... crise de idade e crise do mesmo tipo pela qual já passei e cujo cume suscedeu há pouquíssimo tempo... e hoje, às vezes nem acredito, estou tão bem resolvida... só no psicológico porque a crise de corpo, cabelo, pele e unhas está gritando em mim...

Voltando ao assunto... acabei de desligar o telefone com uma amiga querida, do peito, amiga nova que fiz depois de casada e com quem conversei sobre a busca que mantemos por nos aceitar, por tentar ser mais e nunca estarmos satisfeitas... não sei se continuam lendo já que escrevi umas 20.8887 palavras, mas quero conversar sobre isso por aqui também... Bem, não sei se posso chamar de conversa, mas estou eu aqui a papear em pensamento e escrita feito uma máquina programada.

Depois de falar com essa amiga ao telefone, entrei na net e li um texto magnífico, mas de assunto nem tanto, semelhante àquele que mantive com minha amiga pouco antes... esse texto é também de uma nova amiga, a Ana, que adoro sem nem mesmo conhecer, alguém que encanta com suas palavras, seu alto astral e sua autenticidade - alguém com um bilho realmente especial.

Pois bem, acho que ela está agora passando por algo que há pouquíssimo tempo passei. Sempre soube do que não queria ser... 'não quero ser médica', 'não quero ser promotora de justiça' -médica não queria por ver a rotina que meu pai sempre teve, saindo de casa de madrugada e etc e tal. Promotora de justiça não queria porque sempre soube que a profissão exige muita maturidade e atitudes firmes, o que pensava não encaixar com meu perfil - e olha que coisa: acabei me apaixonando por um promotor de justiça. E meu marido é o melhor e admiro-o tanto também por isso. Quando criança me imaginava uma executiva ou escritora... ha ha há! Quando fui para a faculdade fui totalmente influenciada por meu pai - nunca ousei dizer o que realmente queria - segui os passos que ele me orientou, porém, no meio do curso passei por uma certeza: não posso continuar... quero ser outra coisa! Mas, já não era hora de botar pra fora... não tive apoio de quem podia me ajudar e não tinha ousadia nem grana pra arriscar ir contra. Formei-me em um bom curso, com um lado que adoro: o da administração - entre os 100 alunos, fiquei em segundo, ganhei um MBA e emendei os estudos. Bem, por que falei disso? Falei porque depois disso tudo veio a crise do ser ou não ser especial... será que ainda assim me orgulhava de mim? Claro que hoje sou mais ousada... sou uma mãe leoa se preciso defender minha filha, sou uma esposa que faz por merecer (tento muito, muito, muito!) e sou uma mulher bem diferente da garota que um dia já sentiu vergonha por ser...

Toda mulher instruída há de passar pela crise do 'preciso ter uma mega profissão'. Pensamos que só assim seremos admiradas pelos outros e por nós mesmos. Desencanei disso há tempos... não sou boa funcionária... sempre cumpri o mandado, mas precisava ousar além do dito... por isso já passei por voz levantada do chefe, sofrimentos por nem lerem meus projetos, enfim... já trabalhei em agência de viagem e quis sair por descobrir coisas erradas (há aí alguma empresa que realmente segue a linha, as leis, a moral?). Já trabalhei em área acadêmica sem ter o que fazer... mas mantive-me firme lá pra garantir o desconto na mensalidade da faculdade. Já trabalhei em jornal e foi lá que visualizei o que mais gostava, senti-me bem, fiz amizade, mas saí para conciliar duas pós-graduações. Casei-me, virei dona de casa e passei pela crise 'e agora? como vou ajudar em casa?'. Meu marido é lindo... e pensamos de forma bem igual... em 8 anos não encontramos no outro nenhum desagrado, nada! Eu já me decidi! Não quero uma profissão fora de casa! Quero ser mãe e esposa em primeiro lugar e quero ocupar meu tempo, remunerado se possível, com coisas que adorooooo. E o que são? Escrever e construir sites de casamento, principalmente! Adoro casamentos... curti bastante a organização do meu e hoje faço belos blogs e sites pra noivinhos que não entendem da prática tanto quanto eu... boto pra fora minha criatividade e tento agradar aos pombinhos e a seus convidados. Sou boa nisso e me encanta o trabalho. Mas, se não tivesse ele, estaria bem também só com minha rotina de leituras, brincadeiras com minha filha, conversas com meu marido, cozinhando de vez em quando, arrumando minha casinha e escrevendo..., escrevendo muito.

Acredito que quase ninguém ou ninguém chega ao fim dessa postagem lendo tudo... já são mais de 300.000 palavras? Deus! Onde vim parar? Quero ser a mulher maravilha.... quero a companhia só daqueles que me acrescentam, me fazem bem. Quero ler sobre tudo que gosto, quero escrever sobre tudo que penso, quero trabalhar desde que seja bom pra mim e bom pra quem me contrata, quero amigos que se importem e por quem sempre estarei... quero tanta coisa! Quero ver minha família feliz! Quero também ver você feliz! Porque na vida a felicidade se encontra com muito esforço, mas esse esforço só adianta se souber exatamente o que deseja!

12 comentários :

  1. Talita, acredite amiga, li suas mais de 300.000 palavras e quer saber mais?! Imprimi...pq quero amanhã continuar lendo, lendo e lendo.

    Vc disse tudo! E encontrei muitas respostas na sua vida. Estranho dizer isso ne? Mas afinal de contas, tudo isso aqui é a sua vida...e é linda!

    Muito obrigada, mais uma vez, por me fazer bem. Você é o tipo de pessoa transmite a sua felicidade e nos contagia amiga.

    Quero ser igual a você quando crescer ta??

    Beijocas e obrigada

    ResponderExcluir
  2. agradeço por este texto. Sou como vc e tb sou muito feliz!!!!

    ResponderExcluir
  3. Talita...
    Muito interessante e realista seu post hoje.
    Bjoss...e otimo final de semana!!!
    EDNA

    ResponderExcluir
  4. Eu li tudo... olha concordo com tudo que vc disse... Cada um tem de buscar sua propria felicidade e tentar fazer os outros felizes!

    Bjs, adoro seu blog!

    ResponderExcluir
  5. Amiga, li todas as suas 300.000palavras (será que foi tudo isso?), muito bem escritas por sinal, e nem percebi a extensão do texto!! PERFEITO!!! Não foi nada prolixa!!!
    Estou contigo e não abro (hehehe)... Crises fazem parte da vida e temos que aprender a contorná-las. Beijos. Da sua amiga Débora.

    ResponderExcluir
  6. Talita querida, essa também sou eu... bjo.

    ResponderExcluir
  7. Talita, ameiiiii seu post de hj!
    Li tudinho até o final e me emocionei. Também já passei por algumas crises e volta e meia elas aparecem, faz parte né!
    O importante é que somos amadas e abençoadas por podermos fazer o que gostamos!
    Tenha um ótimo final de semana!
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. ufa! 300.000 palavras!!
    Rsrs...

    Já passei por algumas crises como atua mas sei q ainda tenho muitas para passar.
    Mas no final o mais importante é ser feliz mesmo!!
    BJO

    ResponderExcluir
  9. Talita, dona perfeitinha, tata (a não só o samu pode te chamar assim rsrsr),estou sem palavras para demonstrar o que realmente achei deste seu post. Magnífico, lindo, maravilhoso, com certeza não são os melhores adjetivos. Simplesmente é muito, muito mais que isto. Esta suas 300.00O palavras traduz para mim tantas coisas .... mais uma coisa é fato se antes ja te admirava agora te admiro mais, mais e mais . Vc sem querer acabou fazendo boa ação postando isto sabia? Querendo ou não estas sua palavras irá fazer bem para muita gente, e vc não sabe o bem que me fez no dia de hj...Portanto eu preciso de agradecer OBRIGADAAA! Beijão Paulinha

    ResponderExcluir
  10. Li tudinho e adorei o que vc escreveu, e olhe vc escreve tão bem que nem entediada eu fiquei. ;P

    ResponderExcluir
  11. Querida amiga... sei bem o que é isso. Estou passando por essa crise, bem no momento da minha primeira gravidez. Mas eu acredito que as mudanças e incertezas que temos na vida são apenas para somar e nos fazer crescer. Sempre

    PS: eu também li todas as 300 mil palavras.... você escreve bem!

    ResponderExcluir
  12. Talita
    Sorria e me reconhecia nas tuas palavras enquanto lia o teu texto. Não é fácil a gente assumir o que realmente queremos e precisamos para sermos felizes, quando estamos na contramão do que é dito para uma mulher instruída fazer da vida. Besteira de quem quem se cobra tanto por isso. Hoje eu sei... e estou tão mais tranquila e feliz. Hoje mesmo conversava sobre isso com meu marido, veja você...

    O fato é que temos que agradecer por acharmos o nosso caminho e sermos felizes nele. Ainda bem que tivemos opções, e fazer o que quer que seja da vida por livre e espontânea vontade é uma dádiva.

    Sejamos felizes!!!!
    Beijos

    ResponderExcluir

"As redes de pescar palavras são feitas de palavras." Otávio Paz.