ENTREVISTA com uma amiga recém casada

23.3.09 Talita Cavalcante 4 Comentários

Minha entrevistada de hoje é minha madrinha e afilhada de casamento (isso mesmo!). Eu e meu marido fomos conhecer o novo lar desse casal de amigos e eu aproveitei para entrevistar a dona da casa. Com muito entusiasmo conversamos sobre reforma, decoração e as obrigações de uma mulher casada.



Débora de Castro Moreira Sampaio é recém casada. Ela e o marido estão montando a casa nova e tiveram que encarar uma reforma. Enquanto aprende sobre as obrigações que o novo estado civil trás, curte o novo lar e planeja como colocar os presentes que ganharam no lugar.



1) Oi Débora! Você se casou recentemente e sei que reformaram o apartamento antes de se mudarem. Foi estressante o período da reforma?

 



Eu e meu marido não nos preocupamos em começar a reforma antes do casamento. Estávamos focados nos preparativos do casamento e na lua-de-mel. Ficamos três meses em BH, para que ele terminasse sua residência médica. Só depois viemos para Ponte Nova, foi aí que começamos a olhar os profissionais para a reforma. Durante esse período ficamos na casa da minha mãe e por isso tínhamos pressa na finalização da obra. Queríamos a nossa casa.

Mas logo que a reforma começou realmente acreditei na máxima “é melhor construir do que reformar”. Reformas, em geral, trazem muito estresse. Temos que lidar com atrasos nos prazos de entrega e imprevistos (e quantos imprevistos). Mas ao final tudo dá certo.

 



2) O que tiveram que reformar e o que causou mais contratempos?



 

Na verdade não podemos falar que fizemos uma reforma propriamente dita. Somente fizemos o que era essencial para morarmos com um pouquinho de conforto. Como o apartamento se encontrava em estado bem precário priorizamos a pintura, o sinteco e colocamos uma porta entre a cozinha e a sala, uma vez que não havia nada que separasse estes dois ambientes.






3) O que você aconselharia a alguma noivinha que também vai se casar antes de terminar a reforma do lar? Teria feito algo diferente?



 

Não teria feito nada diferente. Acho que tudo tem seu tempo e a pressa é inimiga da perfeição. Como estava em BH, para mim era inviável administrar e fiscalizar a reforma de longe. Reformas sempre requerem olhos atentos dos proprietários. Sempre acaba faltando algum produto ou aparece um defeito ainda não visto. Se não ficamos em cima, as coisas não andam.

 



4) Quando estamos montando casa nova, normalmente fazemos tudo aos poucos. Eu e meu marido, por exemplo, começamos a comprar as coisas quando ficamos noivos, um ano antes do casamento. Mesmo assim, só terminamos depois de casados. O que você e seu marido priorizaram montar primeiro na casa de vocês?

 



Estamos priorizando inicialmente a montagem do cômodo que achamos mais aconchegante e necessário para um bom descanso - nosso quarto. Mas mesmo assim ele ainda não está pronto, faltam os criados-mudos.

 



5) O que ainda tem em mente e planeja fazer para deixar o novo lar do jeitinho que desejam?

 



Temos que mobiliar praticamente toda a casa, planejar a cozinha, reformar os banheiros etc. E isto tudo custa muito caro. Por isso temos que fazer devagar para que possa ficar do jeito que sempre sonhamos.




6) Escolher a cor das paredes, decidir o tecido para as cortinas, acompanhar a reforma... tudo isso já é motivo pra se sentir uma nova pessoa. A ficha do 'estado civil casada' já caiu? O que mudou?

 



Engraçado esta mudança do namoro para o casamento. As coisas mudam e não mudam. Continua o namoro e começa o casamento, com suas obrigações. Acho que o primeiro ano do casamento é uma fase de reconhecimento do espaço do outro, das manias etc. Mas a convivência e o companheirismo que o casamento nos proporciona é algo indescritível para o amadurecimento da relação.

  



7) Durante a reforma, provavelmente, em algumas questões, você e seu marido discordaram. Teve algo decidido exclusivamente por ele e algo decidido exclusivamente por você? O que foram e o que cada um achou do resultado final?



 

Meu marido me deixa sempre muito a vontade para tomar estas decisões. Ele sempre está ao meu lado, mas geralmente sou que escolho. Tomamos opinião com minha tia e com a dele que é decoradora, assim entramos num consenso. Ficamos bem contentes com o resultado.

 



8) O que fez questão, desde o início, que o quarto de vocês tivesse?

 



Fizemos questão de uma cortina que vedasse bem a claridade do sol e um bom guarda-roupa.

 



9) Como teve a ideia de fazer um quadro do casal para compor a cabeceira da cama de vocês?

 



Bem este quadro foi usado na decoração do nosso casamento. E acabou sendo uma grata coincidência ele ser praticamente da largura da cama. Minha tia sugeriu e eu adorei a ideia. Além de ser uma boa economia, já que ele dispensa a cabeceira da cama.




O quadro como decoração do salão na festa do casamento deles:


10) Aprendeu algo novo sobre decoração com tudo que passou com a reforma? Pode nos dar alguma dica?



Ao escolher as cores das paredes, pensei em colocar uma com um tom diferencial (mais escura para destacar um quadro). E assim mandei o pintor executar a tarefa. Quando cheguei para ver como tinha ficado, levei um susto. A parede de cor diferenciada havia realçado todas as imperfeições do teto. Pedi ao pintor que passasse outra camada de massa corrida. Melhorou, mas se olharmos com atenção ainda podemos perceber alguns defeitinhos.

E por falar na pintura, devo dizer que ela me rendeu muita dor de cabeça. Como foi a primeira coisa que mandei fazer, tive que mandar retocá-la várias vezes. Ao fazer o sinteco e instalar o armário embutido ela foi “premiada” com algumas marcas. Tinha vontade de chorar quando via. Se reformasse novamente a deixaria por último.




 11) Sobre ser dona de casa: sua mãe tem lhe dado algumas dicas e truques? Poderá sempre recorrer a ela para te socorrer quando uma camisa manchar ou algo do tipo?




(Risos). Minha mãe não é uma pessoa muito ligada a essas tarefas domésticas, prefere dar dicas de decoração. Como toda super mãe sempre está disposta a me ajudar. Nas questões domésticas prefiro recorrer à Luíza, que é a ajudante da minha mãe. É ela quem me socorre pelo telefone nos momentos de desespero. Conto também com o auxílio da minha ajudante.



 

12) Já deu pra guardar todos os presentes de casamento ou, como a maioria dos recém casados, tem quase tudo ainda nas caixas?

 



Não deu para guardar praticamente nada. Só comecei a usar os presentes mais do dia a dia.  Como faltam muitos móveis, não tenho nem lugar para guardá-los. Aos poucos vamos colocar tudo no lugar, mas como já disse, sem pressa.

4 comentários :

  1. Muito boa a entrevista. Estou curtindo muito seu blog

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Adorei a entrevista. Muito original... ninguém tinha pensado nisso antes. Sensacional.
    Bjsss

    ResponderExcluir
  3. Adoeri a entrevista! Prima qualquer dia vou ai,conhcer sua bimboca !!! Beijos

    ResponderExcluir
  4. Dé, adorei a entrevista.A próxima vez que for em PN, prometo que vou visitar sua casa nova. Talita, seu blog é muito legal. Parabéns!

    ResponderExcluir

"As redes de pescar palavras são feitas de palavras." Otávio Paz.