Chá da tarde e pessimismo - talvez na ordem inversa

6.8.09 Talita Cavalcante 2 Comentários


Acordei e vesti-me como se o tempo fosse um só. No segundo seguinte não mais lembrava do anterior.

Sou eu mesmo aqui refletida? E que casa é essa? Desconheço...
Já fui de falar comigo mesma, mas nunca assim vendo-me alí deitada. Que coisa mais estranha! Parece que tudo passou e não fiz nada!

Acho que é por isso que dizem que no final das contas, não se lembrarão da gente devidamente. Mas que forma devida seria essa? Como gostaria eu [e você] de ser lembrada?

Nem mesmo sei o que pensam hoje. Quanto mais depois que... credo! Pareço Álvares de Azevedo e não quero tal semelhança! Apesar de tanto talento, a doença da infelicidade dominou-o cedo.

Esquecerei tais linhas e voltarei à bela realidade que me espera.
Agradeço muito e preciso. Cada segundinho. Todos lindos!
Meus olhos estão pregados, mas meu coração está radiante.
Hoje quero festinha em casa. Não é meu aniversário, mas porque não comemorar?
Não me lembro de nada no dia 6, mas se é seu aniversário, parabéns!

Fiz um bolo hoje... como ficou bom! Cheirou a casa toda e minha filha adorou!
Tomei um chá da tarde com bolo. Minha mãe ao lado, coisa rara, mas que agradável!

2 comentários :

  1. Gostei da sua veia poética, mesmo sendo triste foi bom de ler.
    ;)

    ResponderExcluir
  2. Estou aguardando outros textos semelhantes
    Com carinho Monica

    ResponderExcluir

"As redes de pescar palavras são feitas de palavras." Otávio Paz.