Eu sou uma caneta sem tinta

23.10.09 Talita Cavalcante 4 Comentários



Estou estudando e pensando no meu bloguito só com um post hoje. Pode? Esse não é meu trabalho, mas adoro esse cantinho! Se algum dia vier a publicar um livro, você vai querer ler? Não sei o tema, não sei o tipo. Escrevo um tanto de tudo. Você é assim também? Escrevo crônicas, contos e por diversas vezes ensaiei romances. Mas tenho um problema sério: a insatisfação com a releitura. Tem escritores que são apaixonados por cada palavra que escrevem, alguns com exagero, outros com equilíbrio. Eu sinto falta desse amor, dessa crença, dessa coragem de expor. Expor a verdade e a mentira lado a lado e sem pecados. Dizem que a escrita boa tem de tudo. Eu não sei muito dos autores que mais gosto de ler. Sei apenas que gosto do que leio. Sei apenas que me inspiram, sei apenas que me influenciam. De mim, por exemplo, gosto, mas não confio. Não tenho aquela disciplina almejada e por vezes sou uma louca nas palavras. Quero um conto e acabo sem descrição. Tem saído filosofia demais como esse texto que, cá pra nós, já tá grandinho e precisa de um fim.

Espero que gostem de ler o dona perfeitinha porque a loucura por vezes me trás tamanha insegurança que quase me manda parar de postar. Mas uma verdade de presente pra todos nós e que pode nos acalmar nos momentos de loucura maior é: nossos medos são os mesmos. Eu e você sentimos medo. Eu posso até dar mais bandeira dele que você, mas sei que também o sente. E até aqueles que ignoram outros por qualquer razão a ver com sentimento de superioridade podem estar sofrendo demasiadamente, com medo, muito medo. Somos todos de alguma forma iguais.

Eu sou a alegria de uma tarde em família. Eu sou a garrafa de chá. Eu sou a le creuet do armário. Eu sou os gípcios da festa. Eu sou a escrita de garrancho. Eu sou a caneta sem tinta. Sou a caderneta de menininha, sou os pés gelados de frio. Sou as unhas por fazer e as orelhas sem brincos. Sou o tapete bonito. Sou o carro pequeno e o cinema lotado. Sou a calça xadrez e o biquíni problemático. Eu sou as batidas do coração. Eu sou um dos patinhos da lagoa.



4 comentários :

  1. Talita, sabe o que eu acho mais legal no Dona Perfeitinha? Que você escreve com o coração! Medo todo mundo tem...
    Adorei o final!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Nem em pensamento parar de escrever no blog. Não deixo.

    E eu morro de vontade de escrever um livro, mas acho que é só vontade porque não tenho idéias e não sou criativa para contar histórias inventadas, gosto de relatas histórias verdadeiras.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  3. Olha tatá, amo a forma, os assuntos, o jeito q vc escreve... O jornal Estado de Minas está perdendo uma colunista excelente para escrever sobre tudo e qualquer assunto no caderno Em Cultura... sério mesmo... vc não perde em nada para os colunistas de lá... e é claro q seria apenas o começo, vc tem um futuro brilhante...

    ResponderExcluir
  4. Adoro ler o que você escreve. VocÊ deve escrever um livro sim, quando chegar a hora vocÊ vai achar o caminho. Ser você mesma é a sua melhor inspiração. Bjos e bom fim de semana.

    ResponderExcluir

"As redes de pescar palavras são feitas de palavras." Otávio Paz.