Somos todas meninas prendadas?

No saudoso bloguito Prendadas da querida Aninha Medeiros, falei um pouquinho sobre nós mulheres prendadas em um texto que transcrevi uma passagem de um dos meus filmes favoritos. Hoje farei o mesmo por aqui porque adoro tal passagem e quero dividir mais uma vez com vocês:

Considero que todas nós mulheres somos prendadas, dotadas pelo menos de chame, não acham? E ao pensar na palavra 'prendada´, uma passagem do filme ‘Orgulho e Preconceito’ me vem sempre à mente. Apesar do livro de mesmo nome da Jane Austen ser uma inspiração maravilhosa, a conversa que se segue transcrita só tem no filme enão adianta procurá-la no livro:

4 pessoas conversando numa sala: Mr. Darcy (supostamente, muito orgulhoso), Caroline (cheia de preconceitos), Mr. Bingley (homem educado ao extremo) e Lizzy (uma personagem profunda, maravilhosa):

Mr Bingley: _ Acho que vocês moças são tão prendadas! Vocês pintam mesas, tocam piano e bordam almofadas! Nunca ouvi uma moça que não dissesse ser prendada.

Mr. Darcy: _ A palavra é usada à toa. Não conheço mais de 6 moças realmente prendadas.

Caroline: _ Nem mesmo eu.

Lizzy: _ Minha nossa! Devem entender muitíssimo do assunto.

Mr. Darcy: _ Eu entendo.

Caroline: _ Certamente. Ela deve entender de música, saber cantar, desenhar, dançar e dominar as línguas modernas para merecer esse adjetivo. E possuir algo em sua postura e maneira de andar.

Mr. Darcy: _ E deve cultivar-se através de extensa leitura.


Lizzy (fechando seu livro com força): _ Não estou surpresa que só conheça 6 moças prendadas. É de se admirar que conheça uma!

Mr. Darcy: _ É assim tão dura com seu próprio sexo?

Lizzy: _ Nunca vi tal mulher. Deve ser uma coisa assustadora de olhar.

(Mr Bingley dá risadas).


 Essa é Lizzy

Esse é o Mr. Darcy

Não é sensacional essa passagem? Acho-a incrivelmente adequada. Nós moças, com nossas qualidades e defeitos, somos todas prendadas. Independente da quantidade de coisas que sabemos fazer, fazemos bem feito e é isso que importa, não acham? E errar ou não ser tão boa quanto outra nisso ou naquilo não nos faz menos prendadas ou menos mulheres. O que acham?



You May Also Like

7 comentários

  1. Vou procurar ver o filme.
    Mas moça prendada? Eu não sou.
    Só sei escrever, ler, o resto vou morrer de fome e se precisar costurar vou andar rasgada.
    Mas tenho muitas comadres prendadas.
    Sabem fazer pão de queijo, bordam, costuram e ainda cuidam dos marido e filhos. Que é mais dificil não?
    com carinho Monica

    ResponderExcluir
  2. Adorei seu texto...eu amo este filme,ja assisti uma cinco vezes,e assisto de novo se passar.Quero comprar e colocar na minha pequena coleção,e ler também o livro.voçê assistiu se não me engano *Razão e sensibilidade*?,não me veio o nome correto,não sei.
    E se voçê gosta deste tipo de filme tem mais um que gostei muitissimo,vou me lembrar o nome pra te passar,eu aconselho...assista e muiiito lindo...vou me lembrar.
    Deusa
    vasinhos coloridos

    ResponderExcluir
  3. Oi Talita! 'Orgulho e Preconceito' está na minha lista de leituras faz tempo, mas ainda não consegui o livro. Como eu gosto de primeiro ler e depois assistir, o filme vai ter que esperar! Adorei o lembrete!
    Bjks

    ResponderExcluir
  4. Oi Talita, tenho saudade do PRENDADAS, bom tempo...saudades
    Cheiros!

    ResponderExcluir
  5. Olá!! Eu nunca fui prendada mas concordo com vc que somos mulheres, e somos todas prendadas independente de coisas que saibamos fazer!!!

    Bjks

    ResponderExcluir
  6. Oi Talita! Já assisti esse filme uma dezena de vezes, inclusive faz parte da minha coleção especial de filmes. Adorei a comparação que fez com mulheres de hoje. Eu me sinto essa mulher prendada apenas em algumas coisas, mas me sinto feliz por fazer dessas habilidades meus momentos de lazer, para não ser sucumbida pela correria desse nosso mundo atual. Parabéns pelo texto e pelo blog! Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi, Léia, é meu preferido também!
    Obrigada pelo recadinho,
    Talita.

    ResponderExcluir

"As redes de pescar palavras são feitas de palavras." Otávio Paz.