Um dia na praça

"_ Ô, môça! Cê me dexa vê o livro da sua filha?" E aí que travei, pois não podia responder por ela. E ela lia... quero dizer, ela ´catava´ letrinhas e via as figuras, todas de animais. Mas eis que uma criança sobe no balanço ao lado e isso basta para que ela peça para ir junto e a quem entrega o livro? Não a mim! Mas ao menino de pés no chão e roupas em farrapos. E agradeci aos céus por isso. O menino sorria de orelha a orelha e quando já tinha devorado toda a página com seus olhos concentrados, ainda assim titubeava em virá-la tamanho seu encantamento. O livro da minha filha era desses de bolso, pequenino, mas muito colorido. O encantamento do menino era tão grande que parecia nunca na vida ter folheado algo tão bonito. E foi com pesar que tivemos que ir e minha filha chegou e pediu-lhe o livro de volta. Ele não queria soltar e minha vontade era dar pra ele, mas tirar algo querido de um filho não dá. Um dia trago-lhe um novo, pensei. Sofia pediu o livro de novo e como vi nos olhos dele que sofria por não ter terminado de ver o livro, virei para a última página e lhe mostrei o esquilo. "Este é o esquilo". E ele adorou conhecer um esquilo. "Nossa! É mesmo um esquilo? Este é um esquilo? Que legal!". E foi com um pedido em meu pensamento que peguei o livro, o entreguei a Sofia e nos despedimos. Fiz um pedido por ele e nem preciso dizer qual foi. Acho que todos pediriam o mesmo se com esse menino tivessem conversado.


You May Also Like

8 comentários

  1. Talita
    Voce descreveu a cena tão gostoso, que parece que eu era um mosquitinho e estava perto vendo.
    E sua filha foi um docinho.
    Pena que os pintores não estavam por perto para retratár esta cena não tão cotidiana em nossos meios
    com amor Monica

    ResponderExcluir
  2. Nossa Talita, que post lindo!
    Tenho certeza que vc entregará um livrinho para ele, mas tenha a certeza que fez a sua felicidade ao mostrar o esquilo.
    Beijinhos
    Tem um selinho pra vc no meu blog.

    ResponderExcluir
  3. Fiquei com lágrimas nos olhos... É triste que todos não possam ter as mesmas oportunidades, e mais triste ainda é uma criança sentir toda essa diferença.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oie....
    Adorei o blog....
    Visite e siga o meu tb!
    www.caroladuarte.com
    Beijinhos =)

    ResponderExcluir
  5. Talita, conheci seu blog no final do ano passado e desde entao tornou-se mais um vicio. Venho aqui todo dia.
    Quando eu crescer quero ser perfeitinha que nem vc. kkkkk Bom, pelo menos estou tentando.
    bjoooo
    Gracinda

    ResponderExcluir
  6. Own, que historinha inda! Muito bom vivenciar isso.
    Talita, no ano passado, doamos muitos livrinhos e revistinhas para as crianças da Sociedade Viva Cazuza (sempre doamos roupas, alimentos, mas nunca tinhamos doado liros)e foi show. Adoraram!

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Ai meu coração ficou apertadinho de vontade de botar essa criança no meu colo. E a gente não dá valor pra essas coisas pequenas.
    Descreveu maravilhosamente a situação, parabéns!

    Beijão!!!

    ResponderExcluir
  8. Oi, gente,

    Adorei os recadinhos de vocês.
    Obrigada, de coração,

    Talita.

    ResponderExcluir

"As redes de pescar palavras são feitas de palavras." Otávio Paz.