Uma cartinha pros amigos

21.5.10 Talita Cavalcante 6 Comentários

Tem dias que dá vontade de sentar aqui no meu cantinho de trabalho e escrever como se todos que lessem fossem grandes amigos. De forma que eu pudesse contar até mesmo sobre planos que tenho, conquistas pessoais, enfim, transparecer-me mais até em pontos de opiniões, frustrações, mágoas e saudades. Mas isso a gente não pode fazer. Por favor, amigas blogueiras, não façam isso. Acredito que já transparecemos o suficiente a ponto de acharmos que realmente leem-nos apenas amigos. Equivocadamente, mas, no meu caso, preciso acreditar nisso para conseguir pôr palavras em postagens que falam muito de mim, pois não sei me afastar das linhas que crio. São todas um pouco de mim, se não em suas totalidades. Adoro o espaço que tenho pra dividir com vocês tudo que passar autorizado pela minha consciência e continuarei a escrever até que algo grandioso demais possa vir a me impedir de fazê-lo por aqui. Eu adoro meu bloguito dona perfeitinha e trato-o como a um trabalho mais maleável em obrigações, mas ainda assim um trabalho do qual me orgulho em ter como atividade. Virar blogueiro é profissão, gente! Acredite. No meu caso, uma terceira. E admiro demais quem constrói uma história blogando. Gosto especialmente dos escritores blogueiros, já que a vida lida em linhas alheias pode-se tornar mais sábia, mais clara, mais conhecedora do desconhecido, encantadora de forma diferente por alguns momentos. Me fascinam, sabiamente. Mas adoro também quem bloga legal numa intenção diferente, comercial, pessoal, especial. Igual também é legal quando é um igual próprio e não copiado. Gosto e gosto. Acaba que se cria uma identidade pela escrita. De alguns acho que saberia exatamente a autoria se em um jogo de adivinhação me deixassem citações. Tenho tamanha convicção que confiante acertaria.

"(...) sempre tive a sensação de que partiria logo e não valeria a pena, que ninguém combinava comigo. Ledo engano." Nath

"Acordei com poesia na alma e no coração."

"Dizem que o tempo a tudo cura, mas eu acho que o que cura mesmo é a nossa memória que vai falhando de velha e usada, cansada, tratando de apagar o que deve ser mesmo esquecido." Ju 

"A língua portuguesa é cruel e uma palavra mal colocada faz mudar todo o sentido." Mazzeo

"A pirralha que mora em mim queria tietá-lo e a autora que mora em mim precisava reverenciá-lo." Rebouças

Como escrevo com paixão, leio com paixão também. Marcam-me expressões, palavras soltas, significados que talvez sejam só pra mim e principalmente as peculiaridades dessa e daquela pessoa que escreve. Cada uma tem seu jeitinho. Umas gostam de humor, outras preferem a rima, outras já são mais sérias. Umas usam diminutivos, outras tem pavor deles. A união de todas fazem nossos momentos de leitura ricos e divertidos também. Mas quem nunca chorou com um texto também? Não sou eu a levantar a mão. Choro, como chorei ontem e como chorarei amanhã. Estou aberta ao entendimento, à viver junto nas linhas, a aceitar as palavras a mim oferecidas. Muito se passa num backstage de um blog e só conhece os percalços e também as belezas quem realmente se entrega. Quero fazer parte dessa turma, com certeza.

6 comentários :

  1. Talita
    Eu não tinha medo e minhas irmãs disseram que não tinha problemas.
    Eu escrevia e escrevo só verdades.
    Mas tivemos um pequeno contratempo. Não com quem escreve no blog, mas quem lê no anonimato.
    E agora só coloco fotos antigas.
    As atuais vou esperar , passar um tempo.
    Tudo nesta vida tem dois lados. E não sei mentir, amo minhas amigas e amigos que adquiri aqui.
    Mas cuidado ! Pode acontecer de repente de voce estar numa cidadezinha do interior, onde a fofoca rola solta.
    Torno a repetir. Não foi quem escreve, mas quem lê, com intuito de descobrir ,que faz a vida ficar menos colorida e nos assusta.
    Com muito carinho MOnica
    Abraço os três.
    Li que esteve por aqui, mas vai haver outras vindas,não?
    Estou aguardando.
    Só me avise para deixar pronto o lanche.

    ResponderExcluir
  2. Não há como não se expor tendo um blog, mesmo com todos os cuidados. Acontece, que a blogosfera reflete a vida. Aqui encontramos pessoas legais e pessoas invejosas, amargas, que tentam a todo custo ferir quem é feliz. Graças a Deus são minoria!
    Eu também acabo me expondo porque não sei ser diferente do que sou, e nem quero.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. você já faz querida, :*
    vou responder seu email o quanto antes!
    saudades,
    e obrigada pelo carinho sempre ;]
    beijocas

    ResponderExcluir
  4. Adoro a maneira com que escreve e se expõe, se abre, se toca. O blog tem esse papel...pelo menos para mim...meu espaço..que divido com quem se identifica com meu jeito de ser.

    Cheiros e bom final de semana!

    ResponderExcluir
  5. Adorei o blog!
    Visite e siga o meu tb!
    www.caroladuarte.com
    Beijinho =)

    ResponderExcluir
  6. Oi, Mônica,

    É um novo mundo esse virtual, né? E tudo que acontece no real vai acontecer por aqui também. A questão é ter convicção das escolhas que fazemos e mantê-las desde que nada esteja nos prejudicando. Você fez uma boa escolha.

    Oi, Snadra,
    E a gente pode tentar se esforçar, mas entender de verdade tais pessoas, não dá, né? Pois deve ser muito triste viver assim e quem é que escolheria isso? Não dá pra entender mesmo.

    Oi, Nath,
    Obrigada a você pelo carinho de sempre também. Você faz uma grande diferença na minha blogroll, rs. Suas palavras vão sempre tocar meu coração. Torço pra que escrever sempre te faça tão bem quanto nos faz ler o que escreve.

    Denise,
    Obrigada. Me identifico muito com você e tenho grande alegria de saber que lê o que escrevo.

    Carola,
    Obrigada.

    Beijos,
    Talita.

    ResponderExcluir

"As redes de pescar palavras são feitas de palavras." Otávio Paz.