Uma busca interminável, mas recompensadora

29.6.10 Talita Cavalcante 3 Comentários


Muito me atrai no modo oriental de pensar sobre nossa existência. E mais ainda por não ser um modo só. Várias são as filosofias orientais e se muito de religião há nelas, também há muito de psicologia. Acho que não dá pra pensar numa única unidade filosófica, nem mesmo ocidental, quanto mais oriental, não acham? Por isso todos nos referimos ao oriente no plural, já que são vários os Orientes. E que bom que é assim. Enquanto nós do ocidente somos mais relaxados no pensar espiritual, no oriente a existência é racionalizada de várias formas. Mas todas, culturalmente falando, se assemelham, buscam um equilíbrio das áreas que afetam a vida do ser humano: emocional, mental, físico e espiritual.

E apesar de nós ocidentais cada vez mais nos preocuparmos com questões existencialistas, acho que a atenção para isso só chega a ser prioridade quando o circo cai, entende? O mundo consumista em que vivemos e capitalista, onde dinheiro muitas vezes é sinônimo de poder e a ética se perde quando algum interesse pessoal é negado ou ofendido, estabelece em muitos uma carapaça muito diferente daquilo em que é realmente lá no seu interior. E quando me refiro ao circo cair, me refiro à pessoa, num certo momento, perceber que tudo isso que criou ao seu redor pode ser simplesmente uma mentira, sejam luxos excessivos, seja apego demais a coisas que nada tem de existencialista como o poder que uma hora acaba, a beleza que uma hora acaba, a juventude, a coisas em que se apoiam pra viver, mas não sustentam a vida. E é aí que vejo uma porção de gente caindo em desespero. Vemos muito isso no mundo das celebridades, vemos grande parte se envolvendo com drogas, perdidos na ideia que montaram de si mesmas. E, de repente, de uma hora pra outra, quando o circo de alguém cai, passam a querer buscar sua verdade, negada a vida inteira pela atração pelos caminhos mais fáceis e mais ostentosos.

Escrevo sobre isso porque sou uma pessoa apaixonada por questões existenciais. As perguntas com por quês, a tentativa desde que me entendo por gente de conhecer minhas vontades, minhas reações, o que mais me motiva, enfim, desde sempre procuro me compreender mais e aceitar certas coisas que negar só faz mal. E eis que com minhas muitas leituras, vou me apaixonando por essa ou aquela filosofia oriental. Até mesmo dos adivinhos já não duvido tanto mais. Mas é claro que como boa ocidental, tenho pé atrás com tudo. Apesar disso, sou aberta aos encantamentos e muito em minhas leituras já me deixaram fascinada. O Feng Shui é algo que adoro e que apesar de não ser nada científico, decorar pensando nas energias que se quer equilibrar dentro do lar trás-me uma motivação diferente, quase como um sentimento de esperança, algo que já ajuda bastante a crer. E acreditando acho que podemos muito. A ciência já reconhece que a cura de certas doenças gravíssimas pode estar associada à forma de pensar e de acreditar do paciente. E se assim é, acreditar em coisas bonitas como várias das filosofias de vida orientais torna-se pra mim um atrativo ainda maior.

Então, pra mim, seja oriental ou ocidental, qualquer experiência bonita de alguém pode se tornar um aprendizado pra minha vida. Sou alguém que tem vários erros na bagagem que tento aceitar e reconhecer a vontade do outro em não fazer o mesmo, mas também tenho e acho que são em número infinitamente maior, muitas experiências bonitas, muitos aprendizados significativos, muitos sentimentos puros e isso carrego com carinho, com amor e como forma de me compreender um pouco mais, dia a dia. A filosofia e o questionamento existencialista, com toda certeza faz parte da minha forma de acordar e viver o dia e também de dormir e viver os sonhos. E com você? Como acontece sua busca pelo auto conhecimento?

3 comentários :

  1. Tenho que fazer um registro... Quando a gente vai gostando de um blog a gente vai ficando mais exigente, e eu me sinto assim no Dona Perfeitinha. Simplesmente não aceito mais ler os post sem poder ver as imagens publicadas para ilustrá-lo, por isso decreto que a partir de hoje só lerei o blog de casa, onde a REDE é minha e eu posso ver todas as imagens. Aqui no trabalho fica sempre um post pela metade e estou muito exigente. Risos!!! Estarei de casa acompanhando o Dona Perfeitinha devidamente perfeitinho. Humpft

    ResponderExcluir
  2. Amo comida japonesa, e adorei saber como comer o sushi corretamente!!Vou experimentar!!
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi, Juliana,
    Que pena que do trabalho as imagens não aparecem. E obrigada pelo lindo recadinho.

    Karina,
    Legal, né?

    ResponderExcluir

"As redes de pescar palavras são feitas de palavras." Otávio Paz.