Uma visita de inverno

21.6.10 Talita Cavalcante 6 Comentários

Às batidas da porta, fui ver quem era. Nossa! Que surpresa! Nunca imaginei rever tal pessoa. E apesar da idade, a senhora continua menina, demonstrando seu jeitinho exato daquela que foi minha amiga há quase meio século. É estranho, mas nos reconhecemos de cara, coisa de quem se identifica, sei lá. E sentamos à mesa para um típico chá de senhoras. Tirei os biscoitos do forno, recebi elogios e falamos da receita. E aí quando já estávamos rindo, reconhecemos nos olhos uma da outra os bons momentos que tivemos. E a meu pedido, ela contou-me sua vida nesses 50 anos de distância. Disse ter tido 4 filhos, imagine! Eu, com meus 3 achei que liderava o ranking da geração! Disse ter enriquecido, dedicado sua vida à empresa que o pai criara. Me contou fatos complicados da administração, como teve que lidar com a maternidade e a profissão e falou agora dos filhos com certa tristeza em não ver nenhum deles assumir a herança. Tentei consolá-la dizendo o óbvio: "filho é uma grande alegria, mas não podemos querer fazer deles agentes dos nossos sonhos" ao que ela respondeu também o previsível: "mas eu os criei para isso". Calei-me. O que dizer à Lamentação? 'Olha, Lamentação, você existe, mas só faz mal. Dê um jeito de se parecer mais com sua irmã, a Compreensão.' Não. Não dá pra dizer nada disso. A vida nos dá diversas escolhas ao longo da vida e, eu mesma já experimentei várias opções como alegria, tristeza, otimismo, pessimismo, agilidade, passividade, rejeição, compreensão, enfim, e também a lamentação. Minhas escolhas, porém, foram diferentes das da minha amiga. Ela mudou um pouco, mas ao mesmo tempo parecia a mesma. Coisa rara, não acham? Passar uma vida com as mesmas ideias sobre as coisas é algo que hoje pensaria ser impossível porque vivi tanto e mudei tanto de ideia! Mas aí aparece minha amiga do passado e me mostra tal realidade. Passamos a conversar sobre como lidamos com o envelhecimento, com as novas dificuldades físicas, falamos também de amor e contamos uma à outra sobre viagens marcantes, aprendizados significativos e, ao final da visita sem data para se repetir, nos despedimos com um sorriso e com uma leveza na alma. Uma visita interessante para marcar o primeiro dia de inverno. Inverno, pelo menos para mim, é cheio de momentos aconchegantes. Principalmente para o coração. O pedacinho dele dedicado às amizades ganhou um calento hoje. Agora falta rearrumar a mesa porque meu marido tá pra chegar... e hoje, esperamos, cozinharemos pra família toda. Vem aí nossos filhos com respectivos maridos e esposa, nossos netos, também sobrinhos, irmãos. Todo primeiro dia de inverno nos reunimos à casa de quem se lembrar primeiro, como que numa tradição que começou há mais de 15 anos. As risadas esquentam nossos corações. Um bom inverno pra todos nós.


6 comentários :

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Oi linda

    E este mesmo...estou levando minha filha a escolinha,mas tarde volto para ler o o post,começei mas não deu tempo...até
    Deusa
    vasinhos coloridos

    ResponderExcluir
  3. Um bom e quentinho inverno pra vc tbm...

    ResponderExcluir
  4. Tão bom e ao mesmo tempo tão saudozo este encontro não foi....e estranho lidar com o que nos transformamos...e estranho rever amigos antigos e ouvir suas histórias,mas e também muito gostoso...rir juntas,contar e reviver momentos passados...lidar com mudanças...meu Deus...eu estou tentando...agora que completei mais de 40...eu começo a observar algumas linhas e mudanças fisicas...Jesus...e de doer,mas vou corrigindo naturalmente,até não poder mais...agora as mudanças no meu exterior me deixa com saudade....sabe de quando riamos mais,acreditavamos mais...sonhavamos mais....adorei seu relato do reecontro...sinto falta de ler coisas assim...apenas verdadeiras...cada um conta de um modo....
    Obs:Comprei os filmes...obrigada por me lembrar o nome...
    Beijinhos
    Deusa
    vasinhos coloridos

    ResponderExcluir
  5. Um professor costumava dizer que a "Mudança é Uma Constância".
    E não tem como ser diferente.As mudanças acontecem o tempo todo , em todos os sentido.
    Fiquei vúva há três anos, hoje estou com 49.Estou mais velha sim, fisicamente, porém mais experiente.
    Penso em me casar novamente.Agora eu sei o que quero e estou tentando encontrar pessoas que tenham coisas em comum comigo.Por experiência própria não acretido nesse negócio de que os opostos se atraem.Acredito que sim que quando vc tem pessoas ao seu redor para compartilhar algo em comum , a alegria, a felicidade, o amor aparecem com mais frequência, a vida flui mais naturalmente.

    Abraços
    silmara/Campinas
    silmarafsouza2009@hotmail.com

    ResponderExcluir
  6. Oi, Felismara,
    E esse inverno nos promete muitos momentos 'quentinhos', né?

    Oi, Deusa,
    Adoro escrever crônicas e o início do inverno me inspirou a historinha. Que bom que gostou.

    Oi, Silmara,
    Que recadinho mais rico, esse! Adoro quando recebo um assim, cheio de troca de experiências, lições. Fico feliz de que tenha compartilhado com a gente um pouquinho da sua história. Gostei muito.

    Beijos,
    Talita.

    ResponderExcluir

"As redes de pescar palavras são feitas de palavras." Otávio Paz.