Hoje, depois do ontem

by - 27.12.10

O acordar um pouco mais velha, com uma idade recém apresentada, mas ainda desconhecida é bem estranho. Uma estranhesa gostosa, porém. Para mim pelo menos, por mais que novos medos se aproximem. Mas o momento é super especial, pois tem algo de mágico. É como a magia do novo ano que se aproxima e que trás sentimentos e vontades de renovação, de perdão, de novas metas, enfim... coisas boas passam a povoar em um montante só nossas mentes. Fase boa.




You May Also Like

4 comentários

  1. Sábias palavras, eu quando criei o blog foi um pouco antes de fazer 40, praticamente surtei, entrei em crise existencial (não aquela deprimente e triste - mas a da estranhesa) afinal embora com a idade de uma senhora, eu ainda tenho uma criança vivendo em mim.... foi desafiador essa transposição....rsrs. Mas agora já estou acostumada....rsrs. e ficarei tranquila por mais 9 anos...depois outra crise...rsrs.

    Tenha uma ótima semana
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Sábias palavras, eu quando criei o blog foi um pouco antes de fazer 40, praticamente surtei, entrei em crise existencial (não aquela deprimente e triste - mas a da estranhesa) afinal embora com a idade de uma senhora, eu ainda tenho uma criança vivendo em mim.... foi desafiador essa transposição....rsrs. Mas agora já estou acostumada....rsrs. e ficarei tranquila por mais 9 anos...depois outra crise...rsrs.

    Tenha uma ótima semana
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. O que importa é o nosso estado de espirito e não os números que indicam quantos anos temos. Afinal, o que são os anos? Quem os criou? Está certo contar o tempo assim?

    ResponderExcluir
  4. Oi, Adelaide...
    deve ser desafiador mesmo... a primeira crise então deve ser aos 30... mas que bom que podemos ter várias crises de idade na vida... é o que quero...

    Oi, Anabela,
    O tempo realmente é relativo e tudo que importa são mesmo aquelas coisas e sentimentos que o transcendem. Adorei.

    ResponderExcluir

"As redes de pescar palavras são feitas de palavras." Otávio Paz.