O luxo, o consumo necessário e nosso papel nisso tudo

23.12.13 dona perfeitinha 7 Comentários

Quem é que não desejaria ter tanto dinheiro quanto fosse preciso pra comprar tudo o que quiser e não ter que se preocupar nunca mais em trabalhar pela sobrevivência? Trabalho, nesse caso, seria um luxo também.

Viver em meio ao luxo total. Ter quem faça pra você as atividades mais chatas do universo, você liste aí as suas que eu listo aqui as minhas. Andar sempre linda ou lindo, pois afinal, quando se tem muito dinheiro, tem-se sempre bom gosto, não é verdade? Nunca mais cozinharia nada, afinal, você pode ir aos melhores restaurantes ou contratar quem você quiser pra cozinhar na sua casa. Nunca mais estragaria as unhas tentando eliminar um rótulo de um vidro para reaproveitá-lo, apenas o jogaria fora e compraria os melhores potes pro que precisasse. Mas será que você não se envergonharia de fazer algumas dessas coisas? Será que mesmo sabendo da discrepância entre seu poder de compra e de tantos outros que convivem com você, não ficaria um pouquinho pra baixo? Afinal, quem é que consegue ter a consciência tranquila e não refletir sobre seu papel na sociedade? Aposto que tem muitos ricões frequentando terapeutas pra lidar bem com isso, tentando dizer a si mesmos coisas como "não tenho culpa de ser rico"; "mereço tudo isso"; etc.

Normalmente quem é muito rico, trabalhou pra obter o luxo que tem. E o trabalho consegue sim esmaecer essa culpa interna de ter tanto enquanto outros tem tão pouco. E acredito que esses que trabalham honestamente e vivem luxuosamente realmente merecem viver tranquilos. Normalmente pessoas que sabem da sua posição privilegiada numa sociedade se importam em tentar contribuir para melhorias, sempre tendo atitudes de solidariedade, doações, enfim. Além do mais são exemplos a serem seguidos. Claro que há os ricões bobões que vivem pelo luxo e apenas por ele. Não querem saber de darem boa educação aos filhos, não querem saber de solidariedade, não querem tratar bem ninguém que não seja do mesmo nível que eles, arg! Esses não são um luxo, na verdade são um lixo da sociedade.

Mas acredite ou não, mais da metade dos brasileiros hoje estão MUITO endividados. E isso diz que estão quase insolventes, sabe o que é isso? Devem mais do que ganham e não tem um centavo guardado no banco. É preocupante! Mas essas pessoas são pessoas de baixa renda? Não! Normalmente tem uma renda muito razoável e são parte da classe média. Sabe com que estão gastando? Com luxos... Eles estão gastando a crédito, estão antecipando compras que só poderiam ter depois de algum tempo economizando. Preferem pagar mais caro para ter tudo antes, AGORA!



Acho que cada um de nós que faz parte de uma sociedade de classe média, deveria aprender a vedar um pouquinho os olhos de tantas 'tentações de compra' que o mundo moderno exerce sobre nós. Você visita um blog de moda e fica louca pra comprar tal bolsa, tal calça, tal maquiagem, tudo que parece prometer te deixar linda, glamourosa. Mas quanto dura esse glamour todo? A que custo? A que peso na consciência? A que preocupações no final do mês? E quanto tempo dura a sensação boa da realização da compra que fez? Será mesmo que não havia nada parecido com um preço bem mais adequado ao seu salário que lhe garantiria a mesma satisfação? Será mesmo que você só quer copiar o que o outro tem? Será que não vai sofrer depois? 

Bem... os brasileiros de todas as classes estão gastando com luxos. Alguns podem e DEVEM gastar mesmo (Que o diga uma das 'Mulheres Ricas' - reality show de TV - que um dia disse: "Rico tem obrigação de gastar"). Outros já deveriam pensar duas vezes e decidir no lugar de comprar algo desnecessário, investir em estudos para galgarem um trabalho melhor e, finalmente, poderem gastar com luxos sem preocupações maiores.

O feio é que conheço muita gente que prefere gastar com bolsas caras, festas, viagens várias, serviços diversos de beleza, fazendo tudo isso a crédito e, no final do mês reclamar que não sobra nada para um plano de saúde pros filhos, que a escola tá cara, etc. Isso é ridículo. O maior e melhor luxo na vida é ter saúde garantida, educação de qualidade. Se você pode dar isso a seus filhos e a você mesmo, não entendo porque preferiria se endividar por conta de sapatos e roupas. Acham que é vergonhoso viver dentro dos seus padrões? Acham que precisam se 'igualarem' em luxos, como numa disputa de quem é a mais bonita, mais gostosa, que passa a imagem de mais 'endinheirada'? Lá se fossem endinheiradas, tudo bem! Mas não sendo, que vida fútil é essa que atrai tantos 'admiradores'? Não consigo admirar isso. Tenho dó de pessoas assim que saem de casa luxuosas, mas voltam pra casa e tiram a máscara e os saltos e se sentem infelizes, pensando provavelmente coisas do tipo "se ela pode ter, por que eu não posso?", gastando tempo em admirar em sites o luxo de outros, tentando se espelhar nessa coisa sem propósitos maiores, enquanto poderiam estar gastando seu precioso tempo em conviver com os pais, os filhos, os irmãos, trocando experiências, estudando pra um futuro melhor, lendo livros interessantes, cozinhando algo legal, consertando algo que precisa de reparos em casa, fazendo planos reais para o futuro. Existem pessoas que se endividam na tentativa de salvar a vida da esposa, da mãe, do filho. Justificável, admirável, bonito. Agora quando fazem isso por uma imagem falsa de si mesmos, é porque tem alguma coisa errada. Conheço quem em casa tem uma vida modesta, nunca compram nada de especial no supermercado, por exemplo, mas gastam rios de dinheiro em roupas para desfilarem por aí e fazerem vista de 'poderosas'. Olho para essas pessoas com pena porque não aproveitam o que a vida tem de melhor: a sinceridade, a troca de valores reais, a convivência honesta com as pessoas que gostamos, curtindo coisas simples que lhe fazem bem - acho que essas pessoas já nem sabem mais o que gostam, o que são! De tanto que almejam vidas alheias, gastos alheios.

Nesse final de ano, refletir sobre gastos também é importante. Futilidades podem e devem existir, pois de alguma forma nos diverte (é como assistir uma comédia romântica boba, mas que faz bem), mas quando em excesso, quando fora do padrão de vida da pessoa, nesse caso só farão tristes aqueles que se entregam completamente a elas. Futilidades cegam as pessoas para se autoconhecerem, as transformam em seres manipuláveis pelas propagandas, sem nenhum senso crítico e neuróticas por bobagens.

Vamos ser felizes com nosso padrão de consumo? Sejamos honestos e reconheçamos o que podemos e o que não podemos. Lembremos que não somos apenas nós no barco de não poder comprar algo. Priorizemos o que precisamos e o que nos faz feliz. Conheçamo-nos melhor! Sejamos felizes em planejar o futuro com o que realmente queremos pra nós! E o nosso futuro precisa ter uma reserva para eventuais necessidades inesperadas. Imagine se um dia precisar e perceber que poderia realizar aquilo se não tivesse gastado com bobagens. E não sabemos qual a medida do nosso futuro. Pode ser vários anos, pode ser dias...


Um adendo: Minha opinião aqui não é uma crítica ao consumo, longe disso, é uma crítica direcionada a quem consome luxo reclamando do preço das coisas necessárias e básicas. A quem se enfeita para passar uma imagem que não condiz com seu verdadeiro eu, ou seja, que de alguma forma sofre. Meu texto é um alerta para pessoas que gastam para se sentirem felizes, mas sabem que seus gastos estão refletindo consequências desastrosas, incômodas, vergonhosas. O mundo capitalista precisa do consumo. Quanto mais consumo, mais produção, mais empregos e somos parte desse sistema (querendo ou não). Se alguém quiser financiar tudo, ótimo, não critico quem faz isso, critico apenas quem faz isso sonhando com um emprego melhor ou reclamando do preço do plano de saúde do filho, por exemplo. E claro que consumir luxos faz bem e todo mundo merece se presentear com roupas e itens de 'desejo de consumo'. Só apenas acredito que temos que ter um limite e cada um deve aprender sobre o seu próprio. Mas andar bonito ou bonita por aí, ter uma casa confortável, carro idem, tudo isso é muito legal e acho que todos merecemos. Mas você prefere chegar aos 50 anos cheio de roupas de marca, dividindo o aluguel com os filhos ou com casa própria e filhos formados? São reflexões de futuro como essa que nos fazem pôr os pés no chão e tentar ser mais inteligentes na hora de um planejamento financeiro.

Um feliz aniversário pra uma prima linda que tenho e de quem sinto saudades. Mari, você merece o melhor da vida, muitos sorrisos, muitos bons planos. Parabéns e apareça!

Ajude a divulgar o donaperfeitinha.com - Se você gosta daqui, claro! E obrigada.
 




7 comentários :

  1. Gostei de ler o seu texto, a sua análise!
    Venho desejar-lhe um feliz Natal e um novo ano cheio de sucessos.
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi Talita, vou concorda e discordar com você em alguns aspectos.
    Eu acho que hoje um dos erros muito grande das pessoas, é querer cuidar da vida do outro, do tipo: nossa fulano ganha x e gastou y numa bolsa???nossa mas de onde o ciclano tira dinheiro para comprar tal coisa...enfim típicos comentários que ouvimos sempre por ai...e penso assim: O dinheiro é da pessoa e ela faz exatamente aquilo que quer com ele, se ela ganha 10 mil por mes e quer comprar uma bolsa, este é um problema único e exclusivo dela, cada um trabalha e gasta seu dinheiro da maneira que melhor entender e satisfazer. Não acho que produtos de luxo tenha que ser exclusivos de classe alta. Então eu não posso ter uma bolsa de grife antes de ter uma mansão, um carrão e um monte de dinheiro do banco????quer dizer que não posso usar boas marcas, viajar, comer bem sem que antes tenha tudo isso...gostaria de saber qual a regra nisso???
    Sou contra o fato da pessoa entrar em grandes dividas ou deixar de pagar um plano de saúde ao filho, dentista e boas escolas para comprar em supérfluos...ai sim concordo pelo fato que educação e saúde dos filhos são primordiais.
    Mas se a pessoa quer usar uma roupa de marca, ter um carrão e esta tem dinheiro para paga-lo ou para pagar sua prestação, deixa que se faça, a vida é dela e ela é quem decide se guarda ou se gasta.
    tem pessoas que preferem gastar com carrões do que com a casa própria, gosto e preferencia dela...cada um na sua...algumas pessoas gostam de tomar champanhes caras outras gostam de sapatos...uns gastam mais em mercados...outros em roupas...e cada um gasta com aquilo que lhe faça feliz...
    O seriado sex and the city, carrie gastava todo seu dinheiro em sapatos e roupas de grifes, era uma fanchonista assumida...ela mesma disse a frase: quando cheguei a nova york eu estava tão quebrada que eu tinha que decidir entre comprar uma revista vogue ou almoçar, e eu comprava a revista, eu sentia que estava mais bem alimentada assim...em um momento ela disse: meu Deus eu tenho tantos dolares em sapatos e nao tenho uma apartamento próprio...gastava o dinheiro equivalente ao aluguel em vestidos...mas isto a levou a trabalhar em uma das maiores revistas de moda, a vogue...seu gosto pela moda se tornou famoso, embora ela fosse escritora...depois ela comprou seu próprio apartamento...
    O que quero dizer, é que determinadas profissões exigem certos luxos nossos...tenho um amigo advogado, que comprou uma super mercedez (quitada) e nao tem casa propria, preferiu investir no carro, mas por que????para atrair mais clientes...as pessoas pensam: nossa ele ta com esse carrão, então ele deve ser mto bom...e é...isto abriu-lhe mtas portas...inclusive uma empresa que contratou seus serviços, disse depois de um tempo: bom eu te contratei sinceramente, por que além de ouvir dizer que és um bom advogado eu vi que estava de mercedez e pensei: meu ele advoga a 3 anos e já esta de mercedez...bem ele deve ser mto bom mesmo!!!
    Vivemos em um mundo que pessoas ( todas elas) visam a aparência e não sejamos hipócritas de dizer o contrario...se este advogado tivesse um golzinho ninguém lhe daria tanto crédito, ao contrario, iriam dizer...andando de golzinho, este nao deve ser bom...e isto acontece nos blogs de moda...as pessoas querem seguir as ricas...as que vestem grifes...que mostram o mundo de luxo!!!e querem ter um pouco do luxo, vestindo uma peça ou outra e ninguém esta querendo ser o que não é...as pessoas sejam elas quem for, tem direito a querer o melhor...usar uma boa roupa, um bom perfume...a ter o prazer do pedacinho do luxo...vc gosta de tomar bons vinhos e outras gostam de vestidos...cada um na sua...não é preciso ser rico;milionário para tal...a verdade é que tds gostam de ostentar alguma coisa, afinal ninguém inveja o que é pobre e feio...

    Feliz natal e um ano novo repleto de realizações!!!

    ResponderExcluir
  3. É bem assim, no Condomínio simples onde moro, os que tem os melhores carros e se apresentam como ricos, são os maiores devedores da taxa condominial.

    ResponderExcluir
  4. Talita,q belo texto!
    Vou compartilhar uma experiência. Eu já gastava mais quando tinha um emprego em que eu ganhava menos do que o atual. Tudo bem, eu era solteira. Hoje, morando junto com meu amor há mais ou menos 1 ano, penso muito mais antes de comprar, gasto menos com bobagens para ter como comprar o que realmente preciso. Posso, por exemplo ir montando melhor meu apê. Quando a gente paga as próprias contas a gente dá mais valor na hora de gastar. E o mundo agradece, não é mesmo? Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Olá, feliz ano novo. Embora esse post não seja recente, quero comentar porque eu gosto desse tema "financeiro" (ossos do ofício). Na verdade as coisas são simples, somos nós quem complicamos... se cada pessoa aplicar essa regra não existe erro. E a regra é: gaste menos do que você ganha. Pronto!
    Eu não gosto de generalizar, o que é supérfluo para mim, pode não ser para vc etc. Vou dar um exemplo, tenho um chefe que no fds frequenta o mesmo restaurante que eu. Só que ele ganha 10x mais... nós frequentamos o mesmo lugar? Estranho né? Eu estou falando de um restaurante popular por quilo...
    Ele simplesmente não gosta de gastar com comida, em contrapartida, ele tem um carro que vale praticamente o valor da minha casa. Para mim, carro é só um meio de transporte, prefiro gastar meu dinheiro viajando (amo) do que pagando IPVA e seguros caros.
    Outro exemplo, eu não compro roupa cara, para mim é supérfluo. Já bolsas, eu não compro barata, encaro como investimentos, duram a vida toda.
    Enfim, eu entendi a crítica que você quis fazer ao consumo. E infelizmente vc tem razão, as pessoas estão se endividando cada vez mais só para mostrarem para outros que tem dinheiro.

    ResponderExcluir

"As redes de pescar palavras são feitas de palavras." Otávio Paz.
Se precisar, entre em contato conosco através do email: talita@donaperfeitinha.com