Complicar é tão fácil!

28.4.14 Talita Cavalcante 5 Comentários

A dificuldade da paternidade é diretamente proporcional à facilidade de amar sem condição.
Mas não é que tem muito pai e mãe complicando a própria cabeça condicionando esse amor?
Coisa de doido, já que o amor é por si só perfeito, não precisa de moldes. O bom senso é carregado de amor, mas quando condicionado, é cegado e confundido.
Imagine você o que acontece ao se condicionar o amor de um filho, ao se regrar os momentos de amar?
O que será que acontece?
Acontece uma monotonia ridícula. Hora pra tudo, inclusive pra dar risada.
Proibições de tudo quanto é coisa que o filho ama fazer com o pai.
As permissões ficam condicionadas ao silêncio, à limpeza, à organização, à 'imagem de uma triste perfeição'.
E os pais tem seguido nesse lema ditado por alguns pediatras, pastores, escritores de moda.
Mas é claro, tudo que eles dizem ou pregam é mesmo muito interessante! E funciona, que bom!
Funciona pro pai ter 'sossego', pra que não tenha muito 'trabalho'.
Mas... cadê a espontaneidade, cadê o cultivo do amor livre entre pai, mãe e filho? Cadê a segurança que seu filho deveria sentir sobre você protegê-lo acima de tudo?
Os pais tem dito que devem 'preservar' seu casamento e assim usam regras que condicionam o amor de seus filhos. Os filhos ouvem, guardam pra si, e crescem sem o amor incondicional que deveriam experimentar vindo daqueles que chamam de pais.
A vida deveria ser espontânea, mas o que tenho visto é que começa-se a voltar à educação de um pai que impunha medo a seus filhos, de algumas gerações atrás. O filho respeita tanto o pai, mas no fundo é proibido de conhecê-lo e de contar-lhe sobre si mesmo.
Temos que ter muito cuidado. Porque filho é nosso maior desafio da vida. Se você tem um filho, é muito privilegiado. Mas se perde a chance de viver esse amor incondicional, sofrerá por não ter se permitido, por não ter se doado àquele que não pediu pra nascer, mas que tudo que quer é ser feliz e ver seus pais felizes também.

5 comentários :

  1. oiee, eu adoro seu blog, sempre q possivel leio ele.

    Até fiz uma postagem no meu blog divulgando 3 blogs q eu adoro e adivinha: o seu tá lá :DDDD

    http://vidaloucadecasada.blogspot.com.br/2014/04/blogs-preferidos-da-semana.html

    bjooo

    ResponderExcluir
  2. adorei o texto. Realmente filho é um desafio, me da um frio na barriga só de pensar. Ainda não tenho nenhum, quero ter daqui uns 5 anos. Beijos
    http://opcaoc.com

    ResponderExcluir
  3. Olá menina,
    Eu tenho 4 filhos, 2 são meus mesmos de sangue, e os outros 2 vieram com o marido fofo.
    Amo todos os 4 incondicionalmente, sem censura, sem neuras, por mais que sempre role ciúme de todos com todos, eles sabem que podem sempre contar comigo, e que o meu amor é enorme.
    Desde já tenha um ótimo feriado.
    Beijos
    http://www.meucantinhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Complicações, complicações...normal do ser humano.
    Bj e fk c Deus.
    Nana
    http://procurandoamigosvirtuais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Nossa, perfeita sua colocação Talita! Fico estupefata quando vejo essas coisas. As pessoas, em busca de seu sossego, impõem regras absurdas, delegam aos outros as suas obrigações e ainda acham que estão "abafando". Filho é para os pais cuidarem, para os pais educarem, não as escolas, as babás e os eletrônicos. Fácil demais comprar tudo para o filho, trocar a bicicleta que ainda lhe serve porque o amiguinho já tem uma melhor. Trocar o videogame porque está ultrapassado e lançaram um melhor, fácil suprir o material, difícil é dar o amor,cultivar o respeito e a admiração... Claro que os casais podem se permitir um tempo, viajar sozinhos, curtir um ao outro, mas isso tem que ser exceção e não a regra que estamos vendo por ai. Achei que era só eu vendo esses absurdos e me chocando. Ainda bem que não estou sozinha neste pensamento. Beijos, Fabiana

    ResponderExcluir

"As redes de pescar palavras são feitas de palavras." Otávio Paz.