Como informar afastamentos da empregada doméstica no eSocial

16.3.16 dona perfeitinha 0 Comentários

Vários são os tipos de afastamentos possíveis de uma empregada doméstica, seja por acidente ou doença de trabalho, seja por licença-maternidade, entre vários outros tipos, incluindo o de licença-paternidade para caso de empregados domésticos. E para cada tipo de afastamento, as repercussões são diferentes, pois em alguns casos o empregador é obrigado a continuar bagando os boletos do eSocial mensalmente, já em outros não. Portanto é preciso sabermos como informar, como gerar os boletos nesses casos especiais ou mesmo quando não geramos qual a repercussão do afastamento na volta do empregado ou da empregada doméstica.

No 'Munual Prático dos Empregadores Domésticos', à venda no site da Amazon, por R$9,99, ensino sobre cada caso de afastamento possível do empregado doméstico e também oriento com passo a passo explicativo e com imagens, todas nossas demais obrigações como empregadores domésticos, numa escrita direta, sem citação de leis e seguindo uma ordem de acontecimentos, de forma clara, de modo que sempre façamos tudo com tranquilidade, com a certeza de acertarmos tanto na hora de incluir informações no eSocial, quanto na hora de emitir um DARF ou mesmo na hora de fazermos o pagamento do salário ou um pagamento de férias ou mesmo do 13o salário, por exemplo.

O livro tem 152 páginas e vai ajudar a facilitar TODAS suas obrigações como empregador doméstico.


Escrevi o livro que sempre quis achar para minha própria orientação, mas nunca encontrei à venda. Precisei estudar muito e colher diversas informações para chegar à completude e eficiência das orientações que hoje tenho a tranquilidade e orgulho de dizer que podem ajudar qualquer empregador doméstico ou mesmo servir de orientação ao próprio empregado doméstico sobre seus direitos. Mesmo que você possua um profissional contratado para fazer tudo isso no seu lugar, recomendo que, assim mesmo, leia esse Manual, já que somos nós e não nossos contadores quem responde por nossas obrigações, tanto judicialmente quanto moralmente, portanto, é preciso sabermos se tudo está sendo feito adequadamente.