De boba, virei leoa - Coluna da autora




Brisa boa,
De momento necessário.
Pedido realizado,
Tudo que precisávamos.

Eram tempos de modéstia.
Aprendia a não me exceder.
Queria tanto algo além da rotina a mim conferida
Que doía minha mente em noites de melancolia.

Cresci sem aptidões.
Fui sempre a mesma.
Sempre igual.
Querendo mais, mas sem encontrar saída.

Encarava meus dias com um sorriso de plasma.
Sei bem o que é ter os cantos da boca tremulantes por serem forçados.
Achava que o esperado de nós era o certo a seguir.
Não imaginava que poderia mudar minha vida.

Quando enfim encontrei-me em situação de guerra.
Nada mais era como o esperado.
Em meio a mortes, encontrei a vida.
Fui corajosa, fui rebelde, fui leal.

De boba, virei leoa.
Alegria não era mais alimento de ninguém.
Porém, agora era ela que eu guardava.
Juntamente com o orgulho de escolher sozinha meus novos passos.

Nesse instante, já debilitada pela idade,
Sinto a brisa...
Recordações trazem-me um sorriso de verdade.
Aprendi na dureza que a vida é essa e somente ela.

Quem são os outros que esperam de mim o que eu mesma não desejo?
Quem são eles?
São aqueles que apontam ao outro e sofrem por si.
Não me permiti tornar-me um deles.

Hoje olho pra trás e sinto-me bem...
Escolhi viver como eu achava que devia...
E fui bem sucedida.
Sou feliz.



You May Also Like

0 comentários

"As redes de pescar palavras são feitas de palavras." Otávio Paz.